SIGAM-ME OS BONS

A QUEM POSSA INTERESSAR

A maior parte dos textos aqui citados (por razões óbvias) não tem a autorização prévia dos seus legítimos proprietários. Entretanto, o uso neste blogue deve-se apenas a razões estritamente culturais e de divulgação, sem nenhum objetivo comercial, de usurpação de autoria e muito menos de plágio. A administradora do ARMADILHAS DO TEMPO pretende apenas expressar a sua admiração pessoal pelas obras e pelos autores citados, julgando assim contribuir para a divulgação da arte, da literatura e da poesia em particular. A ADMINISTRAÇÃO DO ARMADILHAS DO TEMPO respeitará inteiramente a vontade de qualquer autor que legitimamente manifeste a vontade de retirar qualquer texto aqui postado.

quarta-feira, 9 de março de 2011

MELHOR ACREDITAR EM COISAS BOAS




Acordo e não mais me reconheço.
A espera é longa.
O cansaço é inevitável.
A sorte já se foi.
E a vida tem sido só um segmento.
É como algo que nunca se finda.
Um viver eterno
de desilusão e espera.


Quando alguém diz que somos algo, enraizamos e acreditamos tanto em ser este algo, que passamos a adotar (consciente ou inconsciente) movimentos característicos deste algo. Tornando-nos, de fato, um único rótulo (o tal algo) e passamos a viver neuroticamente em função disto.

Suzanne Leal

Nenhum comentário:

Postar um comentário