SIGAM-ME OS BONS

A QUEM POSSA INTERESSAR

A maior parte dos textos aqui citados (por razões óbvias) não tem a autorização prévia dos seus legítimos proprietários. Entretanto, o uso neste blogue deve-se apenas a razões estritamente culturais e de divulgação, sem nenhum objetivo comercial, de usurpação de autoria e muito menos de plágio. A administradora do ARMADILHAS DO TEMPO pretende apenas expressar a sua admiração pessoal pelas obras e pelos autores citados, julgando assim contribuir para a divulgação da arte, da literatura e da poesia em particular. A ADMINISTRAÇÃO DO ARMADILHAS DO TEMPO respeitará inteiramente a vontade de qualquer autor que legitimamente manifeste a vontade de retirar qualquer texto aqui postado.

domingo, 6 de novembro de 2011

PORQUE ESCALAR MONTANHAS


POR MÁRCIA TOITO


O  que será que leva alguém a querer escalar montanhas?
Existe a certeza do perigo, o desconhecido, a incerteza do sucesso, mil obstáculos no percurso e mesmo assim encontramos pessoas determinadas a correr este risco.
Alguns alpinistas observam a montanha e vêem nela a aventura. O simples fato de poder escalar já é em si uma vitória. Para eles não é o topo mas a caminhada é que importa.
Outros pretendem vencer seus limites, superar obstáculos, percorrem sem cansar até o fim. Buscam o topo, não importa quantas vezes seja preciso recomeçar.
Há alpinistas que contemplam a beleza da montanha, estudam, fazem planos, mas decidem por outra, mais baixa, menos íngreme. Não se preocupam nem desejam a montanha e embora apreciem a escalada dão preferência àquelas já conhecidas por muitos.
Mesmo o mais determinado dos alpinistas pára no meio da escalada e compara a distância entre o que falta para o topo e a que já foi percorrida. Ao comparar e decidir por continuar a subida percebe ser a montanha mais forte do que ele pensava, mais alta e muito mais perigosa. À medida que sobe, verifica que os obstáculos aumentam, a disposição diminuí e o ar fica cada vez mais escasso.
Por que então continuar? O chão é mais seguro e a montanha vista de longe é tão linda, transmite paz, enfeita a paisagem e convida ao sonho...
Continuar já não depende mais do alpinista, agora é a montanha quem decide, se irá fazê-lo: desistir, despencar ou se permite que ele alcance o topo.
O alpinista percebe as intenções da montanha. É como se houvesse um pacto entre os dois.
Quanto mais bela e misteriosa é a montanha, mais difícil é a escalada.
É o alpinista quem escolhe qual montanha irá escalar e é por isso que deve estar preparado e ter consciência de que não é da natureza da montanha facilitar a jornada.
A montanha permanecerá mesmo sem a presença do alpinista.
Existem montanhas que servem apenas para a contemplação. Nunca foram escaladas.
Outras, porém, convidam qualquer tipo de alpinista à escalada. Muitos já fincaram suas bandeiras lá no topo.
Mas... Existe um tipo especial de montanha que desperta a curiosidade de um tipo também especial de alpinista.
Na verdade, essa montanha por sua beleza e grandiosidade pode fazer com que alguém que nunca notou a existência das montanhas ou jamais pretendeu correr riscos, decida por aventurar-se na subida.
Quantos tombos irá levar? A montanha é quem decide. Também é da natureza da montanha desconfiar sempre da determinação e coragem do alpinista, principalmente dos amadores.
A montanha é poderosa, sua “anatomia” faz com que se sinta assim. É misteriosa porque o poder é misterioso e às vezes perigoso.
São Paulo nº 020 - MORROS E MONTANHAS ! - Cruzeiro, Sao Paulo
A montanha não depende do alpinista, mas precisa dele para que possa permanecer soberana.
No fundo a montanha tem medo. Teme que o alpinista chegue ao topo e veja a o que há do outro lado.
Apesar da inexperiência os alpinistas amadores percebem o que o melhor dos alpinistas jamais
irá notar, pois planejou a subida apenas buscando o topo. Esqueceu-se de olhar pra baixo, do outro lado da montanha.
Subir e descer a montanha para quem percebeu o outro lado fica fácil, mas, muito cansativo.
Decidir por abrir túneis pode ser uma boa solução para o alpinista que pretende desfrutar da bela paisagem encontrada do outro lado da montanha. 

MÁRCIA TOITO - 2004


Nenhum comentário:

Postar um comentário