SIGAM-ME OS BONS

A QUEM POSSA INTERESSAR

A maior parte dos textos aqui citados (por razões óbvias) não tem a autorização prévia dos seus legítimos proprietários. Entretanto, o uso neste blogue deve-se apenas a razões estritamente culturais e de divulgação, sem nenhum objetivo comercial, de usurpação de autoria e muito menos de plágio. A administradora do ARMADILHAS DO TEMPO pretende apenas expressar a sua admiração pessoal pelas obras e pelos autores citados, julgando assim contribuir para a divulgação da arte, da literatura e da poesia em particular. A ADMINISTRAÇÃO DO ARMADILHAS DO TEMPO respeitará inteiramente a vontade de qualquer autor que legitimamente manifeste a vontade de retirar qualquer texto aqui postado.

domingo, 20 de fevereiro de 2011

MEU SILÊNCIO


POR MÁRCIA TOITO
Meu silêncio pode assim, te causar um espanto
Deixar-te solitário quieto num canto
Esperando que eu, por coesão ou coerência do ser
Pegue a tua mão e te ensine a me ver.
Mas, meu silêncio não quer dizer nada
É apenas carência de assunto.

Quem sabe algum dia eu volte a falar
Contando das coisas que vejo,
Das alegrias que sinto,
Das tristezas que tenho...

Quem sabe um dia eu sente aí neste canto
E cante algum conto bonito
Daqueles que vejo nas lidas que tenho
Um conto sem muitas surpresas.
Entretanto singelo com muita leveza
Daqueles que fazem verter emoção pelo olhar
Não por tristeza dos casos.
Mas pela verdade das palavras que por certo irão te tocar.

Por hora permaneço em silêncio
Preso às armadilhas do pensar
Moldando meus sonhos, quero vê-los brotar
Não desisti , apenas quero calar
Entenda meu gesto, meu olhar
É o melhor para o momento
O muito que posso te dar.
MÁRCIA TOITO
EM :  15/02/2009

Um comentário:

  1. Calar é necessário - vezenquando.

    http://www.vemcaluisa.blogspot.com/

    ResponderExcluir